Quem sou eu

Minha foto
Gravataí, Rio Grande do Sul, Brazil

Bem vindo amigos

A criação deste Blogger tem como objetivo divulgar a minha criação de canários e metodologia de criação. Assim como servir de instrumento para troca de informações entre os criadores e apaixonados.Também uma forma de ajuda para os que estão iniciando na criação e divulgar alguns dos conhecimentos adquiridos ao longo do tempo,,, Que já é quase uma vida.
Os meus objetivos na criação é de sempre buscar o modelo standard dentro de cada COR ou Porte e em virtude desta busca ter um plantel cada vez melhor.

Genética e Acasalamentos P/Canários de Porte

Os canários Glosters
Canário Gloster Pintado com topete
Os canários Glosters estão classificados na linha dos canários de porte, tendo a sua origem na Inglaterra, por volta de 1925, originário do acasalamento de Canário Border Fancy e Crest. Esta raça de canário se caracteriza pela sua docilidade dos movimentos e pela postura calma, sendo excelente na criação dos filhotes e de uma rusticidade muito boa no que tange a criação, pois é um canário muito resistente. O canto dos machos é forte e estridente às vezes um pouco áspero aos nossos ouvidos. Seu tamanho deve ser  entre 11cm até 12 cm.
Dentro da raça estão divididos em duas categorias; com topete, que são denominados classicamente de Corona e sem topete denominados de Consort. O topete é um gen de característica livre ou seja não possui características de dominancia e nem de dominado.Os topetes podem aparecer tanto nos machos quando as fêmeas. Uma característica dos acasalamento dos Glosters, em relação ao topete é que se acasalarmos Gloster sem topete (Consorts) entre si, seus filhotes serão sempre sem topetes. Se acasalarmos Glosters com topete entre si, o que não é aconselhavel, seus filhotes nascerão com topetes e sem topetes. O fato de citar o acasalamento de gloster com topete entre si e apenas para elucidar o resultado genético deste acasalamento, pois o acasalamento de gloster com topete entre si, geram topetes deformados, com tamanho excessivo e com falhas.    
Os canários glosters estão classificados dentro das seguintes cores;


Melânicos (Idêntico aos canários verdes ou dos canários Cinzas)
Intensos     Fundo Branco com topete
                  Fundo Branco sem topete
                  Fundo Amarelo com topete
                  Fundo Amarelo sem topete
Nevados    Repete as cores acima
Lipocrômicos(Não tem as cores negra ou marrom na sua plumagem)
Intensos   Amarelo sem topete
                Amarelo com topete
                Branco sem topete
                Branco com topete
Nevados  Repete as cores acima
Pintados    (Mestiços)        
Intenso    Sem topete
               Com topete
Nevados  Repete as cores acima
Não serão considerados pintados os canários que tiverem apenas uma mancha na plumagem de tamanho inferior a  1 centímetro quadrado.
Os canários glosters são analisados e julgados pela a forma do seu corpo, que deve ser semelhante a um meio ovo de pato.
Visão lateral do Canário Gloster
O seu peito deve ser amplo e com as pernas curtas e asas bem pregadas ao corpo e com o rabo curto. A cabeça deve ser larga, grande e arredondada e bico pequeno de forma cônica. Quanto à cabeça e pescoço, serão melhores os que apresentarem em uma visão frontal do canário, os limites laterais da cabeça bem próximos aos limites do tronco da ave.
Quanto ao topete, deve ser de boa forma circundando toda a cabeça,  sem apresentar falhas de penas ou buracos, cobrindo levemente até a metade dos olhos e tendo bem no miolo do topete, uma pequena  área  sem penas muito parecido com um grão de lentilha.


Devemos ter alguns cuidados nos acasalamentos destes canários em relação à forma e qualidade das penas do casal,  sempre procurando gerar filhotes com penas mais duras, evitando assim o excesso de plumagem e de penas longas e flexíveis (mole), pois esta linha de canário esta muito propensa à formação de quistos de penas. Os glosters da linha melânica teen as suas penas mais duras que os da linha lipocrômica.
Na formação dos casais devemos seguir os mesmos princípios que regem os acasalamentos dos canários quanto a plumagem, Intensos com Nevados. A maioria dos criadores formam os casais de Gloster com um canário de topete e o outro sem topete. Sigo uma forma diferente de acasalamento para os canários desta linha. Procuro acasalar os glosters sem topetes entre si, até que os resultados destes acasalamentos produzam canários com excelente forma e volume de cabeça. Após obter uma boa cabeça, uma linha desta família irá continuar  a ser acasalada com Glosters sem topete e a outra será acasalada com Glosters com topete.
Um detalhe muito importante que devemos ter no momento dos acasalamentos dos glosters é o de cortar com uma tesourinha às penas ao redor da cloaca, tanto no macho quanto na fêmea. Nos machos devemos cuidar para não cortar as penas do espigão (órgão sexual). Nesta linha de canários devemos aprontar os casais para a produção, bem antes dos canários de cor, com a finalidade de colocar em concurso um canário com a forma e desenvoltura de um canário já adulto.  
Os filhotes ao serem separados dos pais, devem ser colocados em voadeiras amplas para que possam voar bastante, isto irá ajudar a desenvolver a musculatura peitoral.
As doenças mais comuns nos Glosters são;
Os quistos de penas e os problemas nos olhos e visão.
Defeitos mais freqüentes;
Asas abertas, Bigodes ou penugens na região de início do bico, Guampa ou pena espetada acima das pestanas,  Cabeça achatada ou fina, Rabo longo.

Comentários adicionados em 2014;
Em primeiro lugar o Gloster tem a característica de serem canário pachorrento (Paradão). Este fator irá se acentuar, se não tiver uma boa claridade no canaril. Para criar bem os Glosters tem que ser um ambiente com boa claridade, caso contrário, eles irão ficar parados o dia todos, somente se movimentando para comer. Reparo que alguns Gloster que recebem pouca claridade na gaiola, ficam grande parte do dia,  parados nos beirados dos potes de sementes.
Outro fator importante é o excesso de alimentação. Se estiverem muito gordos, também não irão se aprontar para acasalar. Uma fêmea gorda não irá sair do ninho para alimentar os filhotes ou irá amassa-los. Na criação de canários Norwich, vemos este problema com mais nitidez.
Se estiverem gordos e em ambientes com pouca claridade,,, vai ser difícil a sua reprodução.
Também devemos ter em mente que; As aves criadas em confinamento devem ter uma alimentação equilibrada. Não é necessário toda esta parafernália alimentar disponível. Aves confinadas devem ter sua alimentação controlada,,,ainda mais os glosters.
Podes fazer uma avaliação no canário gloster a ser acasalado; Pegue o canário e solte ele numa peça da casa toda fechada, repare se ele consegue voar normalmente. Se sim, provavelmente será um bom reprodutor. Caso não consiga voar; temos problemas. Talvez este canário até possa ser um canário reprodutivo, mas eu não apostaria nele. Os glosters são canários que devem ficar grande parte de sua vida em voadeiras e em ambiente com boa claridade, somente devendo ser colocado em gaiolas menores no momento do acasalamento.
A lição que aprendi na criação dos Glosters; Se optar por criar em gaiolas de tamanho reduzido, é importante o controle da alimentação. A claridade no ambiente é fundamental.

Também reparei que; Estes canários se aprontam para o acasalamento um pouco mais tarde que os canários de cor.




O Norwich



Pela grande admiração que eu tenho por esta raça de canário de porte e pela qualidade do texto e pela forma de avaliação  feitas pelo  Ornitólogo Sr. Luis Santos de forma excelente e atual. Também pelo fato deste texto estar comigo guardado e não encontro mais a publicação dele na internet, estou compartilhando com os amigos esta fonte de informação sobre o mais belo canário de Porte, o Norwich.  Eu já criei Norwich a um tempo atrás e parei, só não tornei a criá-los, devido a dificuldade que se tem no Brasil para encontrar matrizes de qualidade, pois temos bastantes canários desta raça disponíveis, mas a qualidade não muito boa.   
Segue com o texto do Sr. Luis Santos
Esta ocasião vou falar de um canário pelo qual tenho uma especial paixão, e que goza de grande prestígio e beleza como é o NORWICH. Neste artigo não pretendo dar injeções de sabedoria, mas sim passar alguns conhecimentos aos muitos amantes desta bela raça, de algumas experiências e saberes adquiridos ao longo de muitos anos a criar, a expor nos mais variados concursos nacionais e internacionais, e também, baseado em trocas de impressões com outros criadores, pesquisas e consultas de outros artigos. 
É o NORWICH uma das raças mais antigas dos canários de postura lisa e forma, sem duvida é das mais representativas de todas as raças Inglesas, quiçá a mais popular, a ponto de muitas vezes por erro se identificar qualquer canário de tamanho superior ao normal pelo nome NORWICH, que para muitos esta palavra só significa "grande ou diferente". 
Nas exposições reparamos ser um pássaro, que chama muito à atenção, tanto por entendidos como por simples curiosos, é pena não gozar de tanta popularidade em Portugal como em Inglaterra ou mesmo em Itália, Bélgica, onde aparecem em grande número, contrastando com o reduzido número até por vezes nulo nas nossas exposições. 
O NORWICH atualmente goza de uma grande difusão em toda a Europa e o seu nível de qualidade é bastante considerável em quase todos os países, se bem que como é lógico os melhores exemplares provêem de países como: Inglaterra, Itália, Bélgica e Holanda... aparecendo agora outros países com pouca expressão na raça mas com meia dúzia de muito bons criadores, entrando mesmo na disputa dos prêmios nos últimos mundiais, tais como: Portugal, Espanha e Turquia. 
Passando a detalhar agora um pouco a própria raça, podemos começar pela sua história; a origem do NORWICH é o condado de NORFOLK em finais do séc. XVI, na vila de NORWICH para onde foi trazido por um grupo de imigrantes flamengos que se instalou nesta vila rica em têxteis. 
Nesta época este pássaro que provinha de Flandres era muito diferente do tipo atual, era sem dúvida o canário de cor muito parecido ao nosso doméstico, um pouco maior, muito esbelto, de que os atuais NORWICHS só conservam o nome. 
Por volta do ano 1860, um certo número de criadores começou por melhorar o tipo destes canários; passando de um canário de cor a um canário de valor distinto para eles, já que apreciavam mais outras características, tais como, tipo, cabeça, pescoço, asas, cauda, patas, porte, etc., e deixaram as valorizações primitivas que se concentravam mais ou menos em 45% na cor, 20% na lucidez da plumagem e o resto para as demais características. 
Os primeiros NORWICHS do novo tipo, foram obtidos pelos Ingleses através do cruzamento do pequeno NORWICH primitivo, com o LANCASHIRE de grande tamanho, que deu os grandes canários que receberam um standard específico em Londres no ano de 1890. 
Esta bela raça de inegáveis qualidades estéticas, difundiu-se amplamente e rapidamente no circulo limitado de criadores desportivos e não só...



AS SUAS CARACTERÍSTICAS
FORMA OU TIPO - corpo curto, compacto e rechonchudo; o dorso largo e ligeiramente arqueado da cabeça à cauda; peito harmonioso, bem cheio e largo, estendendo-se com uma ligeira curva uniforme bem visível a partir da base do bico até à base da cauda. 
CABEÇA - bem proporcionada, redonda, bochechuda, fronte cheia e elevada, com um bico curto e cônico, sobrancelhas cheias e bem marcadas, olhos visíveis, vivos e bem centrados. 
PESCOÇO E NUCA - o pescoço curto e grosso, sem se notar a união da cabeça com os ombros, dando a impressão de formar uma só coisa. 
ASAS - curtas e bem aderentes ao corpo, sem se cruzarem nem descaírem, com as pontas bem coladas à cauda. 
CAUDA - curta, estreita e cerrada, bem cheia e compacta na base, perfilada com o corpo, dando impressão que se trata do prolongamento do mesmo e não um apêndice (uma cauda bem feita ajuda grandemente na definição do pássaro). 
PERNAS E PATAS - curtas robustas, nem muito grandes nem muito pequenas, bem proporcionadas assim como os dedos das patas de acordo e proporcionais com o dito tamanho, coxas invisíveis. 
PLUMAGEM - abundante, fina, lisas, compactas e sedosas, curtas e firmemente aderentes ao corpo. 
TAMANHO - entre os 16 cm e os 16,5 cm. 
COR - são admitidas todas as cores e a coloração deve ser uniforme por todo o corpo, brilhante e bem definida conforme standard da cor. 
POSIÇÃO - a linha que vai do bico até à cauda deve formar um ângulo de 45º em relação à horizontal o poleiro. A posição deve ser a mais correta na gaiola de exposição mostrando tranquilidade e arrogância. 
CONDIÇÃO GERAL - exige-se bom estado de saúde, energia, higiene e limpeza perfeitas. Uma boa adaptação à gaiola é muito importante 

Passamos a um dos pontos, para mim o mais importante, a reprodução e os resultados... 
Não refiro a importância da reprodução baseado em quantidade, como o mais difícil mas... o obter bons exemplares. O grande segredo da criação de qualquer raça de pássaros, é sem dúvidas o acasalamento... Este é o ponto chave para o êxito, pois do acasalamento é que iremos obter os nossos atletas, ou acasalamento é base do sucesso do criador, deste depende a qualidade dos descendentes e o coroar de mais um ano de criação. Daí a grande importância... tirar muitos ou ter pouca mortandade não é o difícil, não há grandes segredos a revelar, nem na alimentação nem alojamento, clima ou tratamentos, o acasalamento isso sim... como acasalar... que macho... que fêmea... que cor... 
O verdadeiro sucesso de um canaricultor desportivo, não está na quantidade de canários a tirar por época, se 7/8, se 9/10 (claro que as médias anilhados é muito importante...) mas sim se tira 4-5, e desses, 1-2 ótimos, 2-3 bons, 1-2 médios e no máximo 1 mau. Se conseguir 7-8 ou mais, mas dentro dos parâmetros referidos tanto melhor,... o problema é quando tiram 7-8 ou mais e os parâmetros de qualidade passam perto de 3-4 maus, 3-4 médios e no máximo 1 bom, sem atingir o ótimo, e passando uma descendência medíocre.
PRINCIPAIS DEFEITOS




Excesso de plumagem, o tamanho excessivo (tamanho de crest, mais de 16,5 cm), tamanho demasiado pequeno (menos de 16 cm) corpo alargado de silhueta, peito delgado, cauda larga, comprida e aberta, pernas grandes como de um yorkshire, posição muito ereta, asas cruzadas ou descaídas, unhas grandes, pescoço demasiado grande e pronunciado, cabeça achatada, bico comprido e grosso, sobrancelhas a tapar os olhos, pouco enérgicas, apático, corpo sobre o poleiro, penas de galo (de crest). 
Os seus dotes canoros são muito agradáveis, embora não muito melodiosos, mas esta é uma característica que não é importante do ponto de vista seletivo.

Mas falemos um pouco mais. Na Bélgica diz-se que o NORWICH é pássaro "morgem" como reprodutor, quer dizer medíocre; não obstante, cuidando de alguns aspectos da reprodução tem-se conseguido verdadeiros progressos. 
Na hora de formar o casal a que ter  a atenção uma boa seleção de macho e fêmea, acasalando pássaros com as características da raça bem definidas, com poucos defeitos ou quase nulos e quando os defeitos são visíveis tentar meter um parceiro com qualidades que possam anular esses defeitos, deve-se usar a fórmula da compensação (o ideal seria dois pássaros ótimos, mas isso é difícil). Há que levar em conta a origem dos pássaros, sempre vindos de boas linhagens e portadores de bom sangue. Nunca mas nunca, misturar sangue de outra raça, há quem utilize os crests para dar tamanho e quem utilize os glosters para o reduzir, isto é um perfeito erro, principalmente para os poucos experientes, pois só passados muitos anos e é necessário muita experiência e conhecimentos, é que se podem obter bons pássaros. Outro fator muito importante é o acasalar intensos com nevados devido à grande quantidade de plumagem do NORWICH, que é propenso a quistos, juntando intensos com nevados vamos reduzir a possibilidade do aparecimento deste problema, é necessário pois saber distinguir intensos de nevados (schimel). Na plumagem intensa, as penas são mais brilhantes (quase a lembrar o florescente), são mais duras, ásperas e completamente carregadas de pigmento. Na plumagem nevada as penas são mais fuscas (pálidas), são privadas de pigmento nas extremidades, isto é, caracterizado por uma sub plumagem muito abundante. Não devemos acasalar canários intensos com intensos, nem nevados com nevados; no primeiro caso diminui o tamanho e ocasionam muitas vezes quistos, no segundo caso aumentam muito o volume da plumagem, e nunca o tamanho e também muitas vezes provoca o aparecimento de quistos. Também é um erro acasalar amarelos com amarelos, brancos com brancos, canelas com canelas ou azuis com azuis. Deve-se utilizar a cor verde, usando verdes com canelas ou amarelos vamos melhorar a textura da plumagem e cruzando verdes com azuis ou brancos melhoramos a forma e o porte dos descendentes. Nesta raça a utilização da cor verde é determinante, pois o acasalamento contínuo de canários de cores claras, estraga a plumagem, provoca quistos, diminui o tamanho e tira robustez. O sangue do canário verde, serve para manter e reforçar a qualidade da plumagem. 
Não só serve a cor verde para melhorar a plumagem mas sim também o tipo. Um canário com mau tipo mas bom tamanho, pode ser utilizado na reprodução com certas vantagens desde que seja acasalado com outro de ótimo tipo e menor tamanho e vice versa. No caso de ser fêmea de ótimo tipo e tamanho menor será melhor pois as fêmeas de grande porte não são tão boas mães. 
Os NORWICHS brancos ou amarelos são mais apreciados, mas os verdes também são majestosos e de grande valor reprodutivo. 
Quanto a dizer se o NORWICH é um bom reprodutor, tenho de dizer que sim dado que as fêmeas são muito boas poedeiras e os machos em linhas gerais bons reprodutores. No período de encubação os NORWICHS são extraordinários, mas já não são tão bons na hora de alimentar os filhotes, pois como canários de grande porte e pesados que são, as fêmeas não são muito boas criadoras. Por isso aconselho a utilizar amas secas. 
Como para todos os canários a voadeira é fundamental, pois para os NORWICHS ainda mais, aí se fortalecem e adquirem uma maior vivacidade e mobilidade, assim como fazem uma muda mais fácil e de melhor qualidade.



ALIMENTAÇÃO
O NORWICH não tem uma alimentação especial ou muito diferente dos outros canários, necessita sim de uma papa mais rica. Eu uso uma úmida de alto teor protéico e mineral (PEROLA 19% OU HERBAVIT 20%) à descrição, uma seca (TOPAZIO 18,6%) duas vezes ao dia umedecida com água tépida e um pouco de mel, de quando em quando junto suco de limão ou laranja. Administro também na papa algumas vezes ao mês levedura de cerveja e alho em pó; na sua alimentação deve usar-se bastante verdura (couve, alface, espinafres, agriões, etc...); fruta (maçã e pêra, principalmente), sais minerais, grites, e complexos vitamínicos adequados a cada período da época. As sementes; utilizo uma mistura que há no comércio. Há períodos da época em que vou juntando na mistura outras sementes, diminuindo ou aumentando as percentagens das mesmas na composição da mistura; na criação utilizo tal qual, na muda junto sementes mais ricas, sementes saúde (10%), no acasalamento junto aveia (10%) e cânhamo (5%), e no período dos concursos praticamente só alpista (90%). A água é muito importante, ver de qualidade e mudada diariamente. 
Aconselho a não abusar de antibióticos, mas sim utilizar bastantes probióticos.



PREPARAÇÃO PARA CONCURSOS
A preparação para os concursos é muito importante, por vezes na preparação está metade do êxito, pois se o pássaro é muito bom mas chega à mesa de julgamento em mau estado e mal preparado de certeza que vai perder para um pior em qualidade mas melhor preparado e em melhores condições. Não é tarefa difícil, nem se escondem muitos segredos; separa-se o canário para uma gaiola de exposição, fornece-se diariamente uma banheira com água (junta-se algumas gotas de xampus para aves) para se banhar em duas a três vezes ao dia borrifa-se com água tépida misturada com um pouco de inseticida acaricida, e habituamo-lo á nossa presença. Esse hábito não é para se habituar ao criador mas para estar tranqüilo na presença do juiz, por esse motivo aconselho a utilizar roupas diferentes, com ou sem bigode, com e sem barba, atitudes diferentes pois em cada juiz é desigual. Há uma figura e um comportamento.
Para julgamento dos NORWICHS constam as rubricas que passamos a descriminar na ficha abaixo:


NORWICH
PONTUAÇÕES
Rubricas
Pontos
Ótimo
Bom
Médio
Mau
1 – Forma
2 - Cabeça
3 - Pescoço e Nuca
4 - Asas
5 - Plumagem
6 - Tamanho
7 - Cauda
8 - Patas
9 - Cor, Posição e Condição
25
10
10
10
10
10
5
5
15
22
9
90
10-9
10-9
10-9
5
5
13
21
9-8
9-8
9
9
9
5
5
13-12
21-20
8
8
8
9-8
9-8
4
5
12-11
19 e -
7 e -
7 e -
8 e -
7 e -
8 e -
4 e -
4 e -
11 e -
TOTAL
100
93-90
89-86
85-80
75 e -









O canário Lizard



Canário Lizard,
É um Canário de origem inglesa, tendo como características a elegância , devido ao seu conjunto de penas e de uma envoltura rica em desenhos melânicos negros. Um atributo que chama muito a atenção nesta linha de canários é que algumas aves nascem com um tipo de marcação na forma  de um gorro de cor lipocrômica (amarelo,branco ou vermelho)  em cima da cabeça. Esta marca ou gorro é transmitido hereditariamente por um dos indivíduos do casal. Este gorro ou casquete como popularmente são chamados,  tem o seu nome técnico de cúpula.
Referentes às penas; 
Esta linha de canário se caracteriza por  ter a sua plumagem curta e compacta , sendo a sua plumagem bem assentada ao corpo.
O nome Lizard foi atribuído a estes canários devido ao desenho melânico dos bastões dorsais, por serem semelhantes a escamas negras  de uma espécie de lagarto, ou seja o nome Lizard vem do lagarto.
Esta linha de canários se originou de um ramo da família dos canários, formada pela espécie Serinun  Pusillus, um pequeno canário encontrado nas zonas montanhosas da Ásia Central.
Características do Lizard
Trata-se de um canário negro, tendo a sua envoltura semelhante à exigida nos canários verdes. Tendo uma maior qualidade os canários que apresentarem uma maior oxidação nas unhas, bicos, patas e os desenhos melânicos do dorso e peito. Também podemos verificar que quanto menos melanina  marrom (Feomelanina) possuir  o canário, melhor será a nitidez do seu desenho.





As diferenças dos bastões do Lizard para o canário verde; Os bastões dos canários verdes são linhas contínuas e os bastões dos Lizards são pequenos desenhos na forma de meia lua que são unidas, formando uma linha de pequenas meias luas ou escamas. Estas meias luas dos bastões, são chamadas de Spangles. Estas escamas ou meias luas aparecem nitidamente nos canários Lizards nevados, onde o nevadismo forma uma espécie de renda nas extremidades destas  meias luas,  tornando o desenho do dorso, ainda mais bonito.
No peito aparecem pequenas marcas na forma triângulos invertidos e negros. Quanto maior simetria  entre os desenhos, melhor será a qualidade da envoltura peitoral do canário.  Estes desenhos ou pequenos triângulos são chamados de Rowings.
A cor de fundo destes canários pode ser; amarela, branco ou vermelho.
Características do Gorro 
Este gorro deve ter a sua cor conforme a cor lipocrômica do canário, não podendo ter manchas ou falhas ou falta de penas. O gorro deve estar localizado na calota da cabeça, iniciando no final do bico e terminando no final da nuca. O gorro deve estar separado dos olhos por  um risco bem fino, na forma um cílio escuro. Logo o gorro não pode cair sobre os olhos.
Tipos e formas do desenho na cabeça dos Lizards;
- Sem Gorro.
- Com gorro normal.
- Pode ter meio gorro
- Pode ter gorro partido. 
Para os concursos e seleção de canários para o plantel o é aconselhável é trabalhar com Lizards sem gorro e com gorro normal. Para os gorros normais, selecionar sempre os canários que tiverem a melhor forma e cor do gorro.  Os demais devem ser descartados. Existe uma normativa da FOB para que seja aberta uma nova classe a ser julgada em concurso, a classe dos Lizards com gorro partido, acho que em 2013, esta classe já estará vigorando. 
     
Conclusão em 2015 sobre os Lizards 
No final de 3 anos de criação dos canários Lizards, tentando descobrir a genética da formação do gorro dos Lizards, a princípio eu achava que era semelhante a genética da formação dos canários com topetes (Gloster e Topete Alemão). Tendo lidos muito a respeitos, cheguei a conclusão que não existem lógica na formação do gorro ou casquete. Você pode acasalar canarios lizards sem gorro que nasceram filhotes sem gorro, com gorros partidos e até com gorros bem formados. Tudo pode acontecer na questão da formação dos gorros em acasalamentos dos Lizards. Existe uma certa lógica quando acasalamos dois Lizards com gorros, a probabilidade de nascerem filhotes com gorro é maior. Nos acasalamentos de dois com gorros partidos também podem nascer filhotes com gorros perfeitos. Por tanto, não encotrei lógica na getética para a formação dos gorros, é pura SORTE. Também cheguei a conclusão que existem muitos Lizards no mercado oriundos de cruzamentos com canários amarelos, que lhes dá um manto melânico bom, uma cor lipocrômica excelente, mas perdemos na oxidação das patas e bicos e a marcação do peito que desaparece.
Os Lizards são uma história a parte da canaricultura por sua gética de origem estar muito latente em seus indivíduos. Não lhe garanto, mas um teste poderia ser feito.O de acasalar dois Lizards advindos de acasalamentos com amarelos, lógicos selecionandos os filhotes dentro de um padrão dos Lizards com perda de oxidação. Acho que em virtude da genética forte, alguns filhotes nasceriam com boa oxidação, coisa que nos canários de cor não aconteceria